quarta-feira, 2 de maio de 2018

Agradecimento passagem 2018 / 2019

Quero agradecer o carinho emanado por todos(as) nestes últimos dias com um textão que inicia com algumas citações e depois discorre sobre este momento em que inicio minha jornada rumo aos 5.0.

“Nunca fiz amigos tomando leite”, muito menos tendo consensos. Sou um cara de personalidade forte, cunhada numa educação familiar austera, que não permite desvios de conduta, nem falha no caráter. Sou chato sim, sou perfeccionista sim, sou exigente sim, sou fora do comum sim, pois não me permito decepcionar o investimento que meus pais fizeram para tornar-me o homem digno que eles prepararam para o mundo.

Minha sisudez até gera analogias por parte de amigos que me comparam com o personagem Dr. House, o qual dizem ter sido inspirado em mim, tanto pelo gênio, humor sarcástico, postura de querer achar solução para qualquer coisa, pela semelhança física, quanto pelo uso da bengala canadense que necessito usar de vez em quando.

Quem me conhece a fundo, sabe que por detrás de qualquer chatice, existe um cara que nunca, absolutamente nunca, desampara os seus. Sou intransigente na defesa daqueles que são próximos a mim, e não tolero desvios de conduta, sejam eles quais forem, por isso cobro bons costumes destes, pois quero ter motivos para orgulhar-me e defende-los de unhas e dentes.

Toda essa chatice esconde-se atrás de um cara, que mesmo tendo feito todas as merdas na vida, sempre foi um parceiro fiel, que recebe a todos de braços abertos, com sorriso no rosto, ajudando todo mundo sempre que possível, e na maioria das vezes ajudando mais aos outros do que a si mesmo. Acredito que esta seja minha sina, meu objetivo, meu carma, afim de concluir, um dia, quem sabe, meu samsara (ciclo de nascimentos e mortes).

Então, alguém dirá: mas não conheço este citado ai em cima, mas sabe por quê? Porque vivo minha vida sem interferir na vida de ninguém, assim como não quero que ninguém se meta na minha. Trato a todos como quero ser tratado, com carinho, respeito e dedicação. Gosto de ♪ ♫ Viver e não ter a vergonha de ser feliz, cantar e cantar e cantar, a beleza de ser um eterno aprendiz.: ♫ ♪.

Bob Marley, parafraseando Platão, disse: "ERRAR É HUMANO, PERDOAR É PRECISO, e correr atrás daquilo que realmente queremos é uma obrigação. Viva, ame, pense, erre, caia, levante. E depois do erro corra atrás de refazer o seu acerto, faça tudo o que desejar fazer, diga te amo sem medo de não ouvir isso depois, aproveite a vida. Nunca se sabe o dia de amanhã.", por isso erro, repito, tento, insisto, persisto e luto por um mundo melhor para todos.

Em minhas meditações, elevo meu pensamento ao Grande Arquiteto do Universo, pedindo iluminação a todos que estão conectados a minha rede existencial, iniciando por meus anjos, arcanjos, santos, e outras denominações que queiram usar; passando imediatamente a meus pais, tios, avós, e a toda ancestralidade que proporcionaram que eu chegasse até aqui; depois a meus irmãos, tios, primos, sobrinhos, amigos, colegas e a todos que fazem parte de minha vida, até mesmo aqueles que não tenho nenhum tipo de afinidade, pois acredito que todos são dignos de perdão, até mesmo aqueles que vivem errando, pois o julgamento de seus atos e omissões, está no céu ou no inferno de suas consciências, recebendo de volta tudo aquilo que fazem ou deixam de fazer aos outros.

Elucubrações a parte, como disse no início, "nunca fiz amigos tomando leite", neste sentido, quero dizer que todos meus amigos(as) são loucos(as), todos(as) sem exceção, pois se não fossem suas loucuras, não seriam meus amigos(as).

Amo gente que me completa, que me alegra, que me faz bem. Gosto de gente que ri, que anda em qualquer ambiente, que trata a todos por igual, que não discrimina condição social, raça, gênero. Gente eclética, gente como a gente. O que me chateia é a prática de discriminação de qualquer tipo, de gerar o mal de qualquer forma, seja praticando pequenas ilicitudes, quanto exagerando em certas convicções ideológicas, que originam violências desnecessárias, tornando as pessoas intolerantes inconscientemente, pois defender um lado, não é agredir o outro. É preciso lutar a favor de algo, não contra outrem, por isso, use sua força para vencer a si mesmo, superar-se, tornar-se digno de honra e gloria, sem prejudicar ninguém.

Jesus Cristo, em seu último dia neste plano, chamou seus doze melhores amigos para participarem de um happy-hour regado a pão e vinho. Durante o evento ele abriu o jogo pra todos, sendo sincero ao extremo, dizendo que Pedro o negaria, Judas o trairia, e assim por diante. Este evento ficou conhecido como Santa Ceia, onde um “pacto de amizade” incondicional foi selado através do “cálice da aliança” chamado de “Santo Graal”. Jesus, o iluminado, usou seus critérios para escolher, e eu, um mero mortal, errante, pecador, com mais dúvidas que certezas, obviamente não teria o mesmo discernimento para escolher quem seriam as doze pessoas que sentariam a mesa comigo, ainda mais sabendo que serei crucificado pelos não escolhidos, que vão preferir ser melhores amigos do Barrabás do que de mim.

Foram tantas vivências, experiências, aventuras, que não conseguiria enumerar nem mesmo que vive-se tudo novamente. Cada uma foi diferente. Cada qual teve seus protagonistas, coadjuvantes e expectadores. Então, é muito difícil projetar o algoritmo que selecionaria os doze que sentariam a mesa para comungar em meu Santo Graal.

Inúmeras variáveis precisariam ser levadas em consideração, mas talvez as principais sejam: os que mais me ajudaram na vida; os que me acompanham a mais tempo; os que me conectaram aos maior número de amigos em comum; os mais cúmplices, fieis, parceiros, que consumiram o maior volume de cerveja comigo, que percorreram o maior número de quilômetros ao meu lado, mais historias contadas, confidências relatadas, experiências vividas, entre outros pormenores.

Mesmo com todos estes critérios não conseguiria ficar só com doze, pois teria de fazer vários happy pra receber todo mundo, mas acredito que todos hão de concordar que: Mario Correia, Jurema Bender, Marcelo Braga, Gerson Junqueira, Márcia Pacheco, Jorge Junior, Paulo Marques, Luciano Quadros, Leonel Da Silva Vargas, Everton Luis Silveira, Ricardo Rocha Leite Leite (in memorian), Ricardo Unger (in memorian), são os que mais cumpririam os critérios pré estabelecidos, e ligado a eles, viriam uma infinidade de pessoas tão importantes que compõe minha rede de relacionamentos, como os meus ex Amores, os Marcelos, a galera do Já foi Bom, Cia do Trago, do Morro, do Menino Deus, da Osvaldo, de Laguna, Quartel, Inter, Harmonia, Piquetes, Gaúcho, Escolas, excursões, trabalhos, política, do mundo, assim tendo eu que realizar vários kerbs pra recepcionar todas pessoas queridas que fizeram parte de minha vida nestes meus 49 anos de vida.

Agradeço as infinitas vivencias com cada um de vocês. Saibam que só consigo compartilhar amor porque recebo muito amor.

Obrigado por todas energias positivas enviadas. As recebo com muita gratidão, pedindo ao Universo que todos sejamos abençoados com muita luz, paz, amor, saúde, união, prosperidade e mais uma infinidades de coisas boas.


(vídeo de agradecimento com cara de quem estava resfriado e que não parou de trabalhar por dias a fio hehe)





Namastê

Adilson Di

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente e identifique-se