segunda-feira, 14 de março de 2016

LIMBO

Hoje não fui, mas em 2011 eu tava lá. Isso mesmo, há 5 anos eramos 300 e fomos quando todos diziam "isso não é comigo". Eramos meia duzia de gatos pingados dos mais variados matizes ideológicos, incluindo pessoas dos partidos da extrema esquerda. Saímos do marasmo cívico, tiramos a bunda do sofá e fomos protestar contra a corrupção. Não queríamos e nem precisávamos de nenhum impeachment, muito menos pedir cadeia para um ex presidente. Queríamos somente o fim da corrupção em todas as esferas públicas. Faz tanto tempo que podíamos ter mudado as peças do tabuleiro com nosso voto, mas não, foram lá e reelegeram os mesmos que já estavam há oito anos. Hoje penso, será que se tivéssemos mudado das peças pretas para as brancas, teríamos mudado alguma coisa? Acredito que não, pois bispos, cavalos e torres seriam as mesmas. Mudaríamos somente as cores, não suas essências. Então será que se mudar a rainha e o rei, de uma cor para outra diferente, vai ser tudo diferente? NÃO, não vai ser... enquanto o povo achar que somente uma bandeira ou outra for a solução, vai ser tudo igual. Ainda precisamos de uma nova forma de democracia, portanto a bandeira da Democracia Real, direta, líquida, instantânea, ainda é necessária e urgente.
Estou no limbo entre a cruz e a espada, pois não concordo com os que lá estão, mas também não concordo com os que querem lá estar. Quero poder votar nos representantes bem como no que eles vão votar. É um absurdo os caras irem pra lá e votarem a seu bel prazer, votar no que eles ou seus apoiadore$ acham, e ponto. Politico eleito não é um deus, ele está lá para ser um funcionário de todos que lhe elegeram, e para votar, ele tem que perguntar a seus eleitores como deve ser este voto, ou seja, ele não vota simplesmente no que acha, mas sim no que a grande maioria acha.
Precisamos deixar de ser os peões brancos e pretos que defendem seus reis e rainhas. Precisamos sair dos limites do tabuleiro quadriculado (sistema) e criar um novo jogo onde todos sejamos jogadores que avançam fases, não este em que somente um é vencedor e outros tantos são vencidos.

Ai vão os links de nossa empreitada de 2011:


VEJA 20/09/2011: Manifestações contra corrupção definem reivindicações

ZERO HORA 07/09/2011 - “Ninguém diz um basta”, contesta organizador de protestos contra a corrupção

VEJA 19/09/2011 - Movimento contra a corrupção volta às ruas nesta terça-feira no Rio e em Porto Alegre


terça-feira, 8 de março de 2016

Dia da Mulher

Até então era utopia, e quem diria, que um dia, a mulher iria conquistar tudo que lhe é direito. Ainda não é pleno, recém equipararam-se em algumas esferas, mas ainda ha muito que melhorar. Aquela que outrora lavava, passava, cozinhava, e cuidava dos filhos, hoje faz tudo isso igual e ainda concorre num mercado desleal, onde a sociedade patriarcal irmanada, ainda dita regras dentro de lojas, templos, confrarias, de forma injusta e desleal. Neste 8 de março louvo àquelas que como você, meteram o pé no acelerador da vida e passaram por cima de todas barreiras e preconceitos, atingindo um nível satisfatório em suas relações de trabalho. Ainda há muito que se lutar. Findar com o conceito que mulher é só corpo e sensualidade. Findar com os estigmas que: dirigem mal, reclamam demais, e que se ao amar demais os demais são pejorativamente consideradas volúveis, infiéis. Mulher é tão capaz quanto qualquer homem, assim como qualquer homem também pode ter a capacidade de amar, cuidar do lar, lavar e passar. Somos iguais sem sermos iguais, pois quem ama soma, que ama iguala, quem ama perdoa, quem ama sonha, e juntos constroem um futuro igual, fraternal, liberal e digno. Parabéns pelo dia da mulher - Adilson Di"