sexta-feira, 17 de julho de 2015

Um instante a mais


Por que comemoramos casamento, se com ele abro mão de minha liberdade em detrimento do compromisso inexoravel de agradar para o resto da vida a pessoa o qual faremos juras de amor.
Por que comemoramos um nascimento, se com ele vem inevitavelmente o crescimento demográfico, o aumento do consumo e a diminuição da oferta de leitos hospitalares, classes escolares, alimentos e espaços nas ruas.
Por que comemoro aniversário, se ele significa que com o passar dos dias iremos nos afastando cada vez mais do que mais amamos (colo, brinquedos, ingenuidade, pais...)
Por que comemoramos passar de ano e formatura, se com o fim do período letivo iremos nos despedir de nossos colegas e dos momentos de aprendizado e alegria que passamos com eles.
Enfim, por que comemoramos um momento a mais, se com ele estamos cada vez mais próximos do fim.


quarta-feira, 15 de julho de 2015

Pedras na vidraça

Sabes do meu respeito pelo amigo, mas o que está nas ruas não é meramente um bando de analfabetos políticos, muito ao contrário, são jovens que estavam atras de telas de computador absorvendo todo tipo de informação possível, ouvindo ao longe seus pais reclamarem o tempo todo que não tem grana pra isso ou para aquilo. Quando saiam às ruas esperavam quase uma hora para pegar um ônibus, entravam na lata de sardinha, ficam de pé, com um monte de gente mal intencionada bolinando meninas e batendo carteiras. Chegavam em escolas precárias que vão desde fachadas horríveis, a classes quebradas, banheiros imundos, sendo atendidos por professores insatisfeitos que mais reclamam do salário do que dão aulas. No intervalo vão encontrar centenas de outros jovens que em casa sofrem todo tipo de humilhação e abuso, sendo que alguns extravasam refletindo suas vivencias de forma violenta, tanto física quanto emocionalmente sob os demais. Aos poucos juntam-se afinidades e ai vão se formando gangs (bondes) que saem para as ruas para cometer todo tipo de barbárie. Ora, estamos falando de uma ínfima minoria que sucumbe aos maus tratos sociais, sendo que todo o restante é vitima do que este sistema lhe impõe, e voltam para casa com a revolta de não poder fazer nada contra seus opressores. Alguns chegam e veem uma mãe sofrida que alem de ter que trabalhar quase 18 horas por dia, ainda tem que aturar um pai bêbado, violento e ausente. Para exilar-se desta situação volta aos confins do mundo virtual ou sai às ruas para espairecer onde novamente encontra aqueles que ja sucumbiram para o lado do mal, sendo que mais uma vez é tentado ou é humilhado na porta de sua comunidade.

Este é um breve relato do que REALMENTE é esta sociedade, pois EU VIVI isso na minha infância e adolescência e graças a uma família virtuosa e trabalhadora não sucumbi da mesma forma que cerca de 80% dos jovens que se criaram comigo, sendo que muitos morreram das formas mais brutais e estupidas, outros foram presos, outros vivem a mercê do vício do álcool e drogas, em comunidades carentes de todo tipo de infraestrutura básica e até mesmo vivem na rua.

Pois é, para aqueles que pensam que o mundo nasce numa escola particular ou numa publica que fica mais na área central, não sabe realmente o que acontece ao seu redor. O mundo é muito injusto com a grande maioria da sociedade, e aqueles jovens que leem vorazmente todo tipo de informação na internet, estavam esperando um grito de GOL SOCIAL para poder sair as ruas e dizer chega a todo tipo de ato e omissão do poder público sob seu mundo. Em suas leituras encontram todo tipo de vergonha com o dinheiro que deveria servir para melhorar seu ônibus, sua escola, seu bairro, seu posto de saúde, sua rua e toda sua cidade, mas enquanto isso ele vê que o ex Presidente da República tem em seu filho um dos maiores bilionários do mundo, que os parlamentares corruptos cassados voltaram para suas cadeiras e ainda assumiram a chefia das casas legislativas. Que prefeitos e vereadores aumentaram seus salários, enquanto não deveriam receber nada, pois política NÃO É UMA PROFISSÃO, mas sim recebe uma procuração social para defender o direito e as expectativas que o povo lhe outorga por um período ínfimo de tempo, pois se fosse uma profissão, todos parlamentares deveriam bater ponto e atenderem todo telefonema que chegar ao seu gabinete, mas isso vereador, não acontece.

Prezado, o que está posto não é uma mera repulsa a um político específico, e sim a todo um sistema político ridículo que é imposto ao povo desde as eras remotas do império, e que até hoje é defendido intransigentemente dentro de templos capitalistas onde a ajuda ao meu irmão próximo é muito mais importante que àqueles que estão ali no outro lado da rua.

Os partidos viraram balcões de negócio enquanto deveriam exercer a fundo a cidadania, tendo em seus quadros pessoas que fossem até o seio da comunidade fazer o atendimento básico REPRESENTANDO A AGREMIAÇÃO PARTIDÁRIA E NÃO UM PARLAMENTAR ESPECÍFICO, pois este personalismo é a grande chaga da política brasileira, pois se o partido fosse uma verdadeira representação dos anseios sociais, os políticos jamais teriam problemas em suas vidraças.

Um abraço