quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Artes Plásticas nos altos do Mercado


Na última quinta-feira de novembro, os altos do Mercado viraram atelier de arte. Com cenário montado, tela e tinta na mão, o artista mineiro Golb Carvalho pintou a modelo Thays Pires Leão no terraço III. O público do Mercado pôde acompanhar a criação da obra, que vai ter metade de seu valor destinado a uma ação social.


Foi uma tarde inteira de artes plásticas no segundo piso do Mercado. Golb pintou a modelo Thays Pires Leão, conhecida no MMA como "musa do octógono , num quadro com tratamento impressionista, segundo informa o criador. A ação fez parte do aniversário de 12 anos da revista South Star, e teve apoio cultural da Brasmed. Para Golb, acostumado a pintar em locais públicos, a troca com as pessoas que passam faz a pintura em público algo diferente. Na verdade, é uma performance de pintura", aponta. Golb já pintou nos mercados de Belo Horizonte, Fortaleza e Curitiba - tem preferência por locais que aglomeram pessoas, como mercados e shoppings. "No mercado é bom porque o público é eclético. Tem da pessoa mais simples, que nunca viu um artista pintar, à pessoa que entende, ja viu, e conhece a arte. Isso é que é importante. Porque aqui eu agrego valores de A a Z", diz.

Iniciativa artística

Os trabalhos de Golb com modelo vivo em locais públicos geralmente têm metade da arrecadação destinada a ações sociais. "Perdi mãe e pai com câncer, então quando eu faço algum trabalho fora, a convite de alguma empresa, ja aviso: a obra sendo vendida ou arrematada em leilão, 50% do valor tem que ir para uma instituição que cuide de crianças ou idosos com câncer", diz o artista, que tem essa iniciativa há mais de 15 anos. "A ideia é essa. Além de divulgar a arte", finaliza. A pintura está a vida de Golb desde os 14 anos, e ele dedica-se somente às artes desde os 20. Golb percorre diferentes tipos de expressão artística: estudou e já fez teatro, dança classica, canto e atuação em TV. Atualmente dedica-se às artes plásticas, e tem seu atelier em Petrópolis/RJ, onde faz exposições e produz eventos de pintura ao vivo.

Fonte: Jornal do Mercado, nº 57, dezembro de 2012, Foto e reportagem Letícia Garcia (estagiária), sob coordenação do jornalista responsável Fabrício Scalco

Ação idealizada e produzida por Adilson Di, da intersetorial.com

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

O Verdadeiro Estádio Remendão

No Rio Grande do Sul, mais especificamente em Porto Alegre, existe uma grande rivalidade entre os torcedores do Sport Clube Internacional, chamados de colorados, e o Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense, chamados Gremistas, e como em toda rivalidade existe uma eterna discussão para saber quem é melhor ou pior, quem fez algo primeiro ou quem tem o melhor: uniforme, estadio e lógico maior número de títulos.

Em números de títulos, ambos as torcidas publicam tabelas que mais puxam a lenha para seu assado, como se diz no RS. O Gre-Nal já foi disputado em 376 ocasiões, com 141 vitórias do Internacional e 118 do Grêmio. Carlitos detém o recorde de jogos e gols no confronto, tendo marcado 40 vezes em 63 partidas pelo Colorado entre 1938 e 1951.

O Grêmio ostenta uma Copa Toyota, duas Copas Libertadores, dois títulos brasileiros e quatro da Copa do Brasil. Já o Inter levantou a taça da Copa do Mundo de Clubes da FIFA, duas Copas Libertadores e uma Copa Sul-Americana, conquistou o Brasileirão três vezes e ganhou uma Copa do Brasil. O time do Beira-Rio detém ainda 39 títulos gaúchos, quatro a mais do que os rivais do Olímpico, que ganharam o já extinto Campeonato da Cidade de Porto Alegre em 26 oportunidades contra 24 do adversário.

Chacotas e apelidos surgem de ambos os lados, tanto que de um lado os gremistas chamam os colorados de macacos, numa antiga alusão ao Internacional ter sempre permitido que negros fizessem parte de seu quadro associativo, enquanto no Grêmio demorou muitos anos para que isso ocorre-se. O macaco inclusive  foi agregado ao marketing do Inter criando-se um novo mascote o qual anda lado a lado com o antigo simbolizado pelo Saci. Já os colorados chamam os gremistas de bambis, devido ao Grêmio ter tido uma das primeiras torcidas organizadas gays do país, intitulada Coligay, porém estes não aceitam o apelido, e mantem como mascote um mosqueteiro.

Nos últimos tempos temos assistido a um grande debate sobre qual é o melhor estádio, pois o estadio do Internacional, chamado de Beira Rio, mesmo não estando pronto, foi escolhido para sediar os jogos da Copa do Mundo de 2014 pela FIFA. Como houveram uma série de contratempos contratuais, ocorreu atraso no inicio das obras, e neste lapso de tempo de negociação, o adversário anunciou a construção de seu estádio chamado Arena em parceria com a construtora OAS, o qual terá direito de explorar comercialmente por 20 anos a contar da conclusão e entrega das unidades comerciais e habitacionais que serão construídas antigo Estádio Olímpico Monumental, como pode ser visto no documento .

A construção da Arena foi rápida, por tratar-se de uma obra feita com a frágil tecnologia de pré-moldados, num terreno baldio, que outrora fora um banhado e posteriormente um deposito de entulhos. Enquanto isso, o inter preferia a remodelação de seus estádio de concreto, agregando centenas de obras ao complexo, e por isso estará em obras ao menos até o inicio de 2014, onde serão realizados jogos da Copa do Mundo FIFA.

Estádio Olímpico Monumental, visto de cima do Morro Santa Tereza, com cemitérios ao fundo
Nesta função de chacota, os gremistas começaram a chamar o estadio do Inter de remendão, porém desconhecem sua própria história, pois o Estádio Olímpico que ao ser inaugurado em 1954 foi considerado o maior estadio particular do mundo, porem ficou inacabado, sendo concluído somente depois de 26 anos em 1980, enquanto isso o inter já possuía estádio próprio, inaugurado em março de 1931 num Gre-Nal, vencido pelo Inter por 3 a 0, e tinha o nome de Estádio dos Eucaliptos e mais tarde ganhou o nome de Ildo Meneghetti.

O estádio do Inter tinha 10 mil lugares e devido a sua boa infraestrutura foi requisitado pela antiga Confederação Brasileira de Desportos - CBD, para realização da Copa do Mundo de 1950, o qual realizou dois jogos no estádio - Suiça x México, e México x Iugoslávia. Mesmo tendo seu estádio próprio, em 1956 o inter começou a sentir a necessidade de construir um novo estádio, o qual ganhou da prefeitura um terreno dentro da água, isso mesmo, dentro da água, e depois de aterrar a área, começou a fincar as primeiras estacas em 1959 até que em abril de 1969 era inaugurado o maior estádio do Rio Grande do Sul.

Entre chacotas de um lado e doutro, claramente vê-se que a melhoria do estadio Beira-Rio trata-se de agregar uma série de benfeitorias ao clube, enquanto o Olímpico por 26 anos foi o maior remendão de todos os tempos, e no qual a diretoria entregou a iniciativa privada para ser destruido, em troca do uso da Arena até receber definitivamente o estádio que vai estar velho e desgastado daqui há 20 anos, quase que precisando de reformas novamente.

Mais fotos da inauguração do remendão: Globo Esporte