sexta-feira, 22 de dezembro de 2017

Feliz natal

Oi, bom dia, tudo bem? Espero e desejo que sim. 

Então, ontem, no solstício, iniciou oficialmente o verão no hemisfério sul, terminando a linda e bela estação da primavera onde a natureza estava em festa, com flores colorindo, perfumando e polinizando o ambiente, com animais cantando e encantando seus pares e a nossos ouvidos. 

Agora chega a época de crescimento de frutos e filhotes, numa renovação constante da vida no planeta. O sol chega para nos aquecer, iluminar, dourar a pele, proporcionar bons momentos ao ar livre, onde podemos aproveitar para andar, correr, amar, sem esquecer de hidratar. 

Que seu final de semana pré natalino seja cheio de "presença do espírito" de paz, amor, união e tudo de melhor que a vida possa lhe proporcionar. 

Que o significado do Natal esteja presente no seu coração e que o Grande Criador do Universo abençoe seu final de semana enviando hordas de querubins para alegrar sua vida. 

Deixo uma bela canção sobre o verão como presente de Feliz Natal. 

Namastê - AdilsonDi.Com


segunda-feira, 18 de dezembro de 2017

Invenção do Tempo

Qual foi a verdadeira intenção dos antigos para criação do calendário? Será que em tempos pagãos as culturas preocupavam-se com o tempo? Sei lá, acho que não, pois numa rápida pesquisa pude constatar que nosso calendário atual, chamado gregoriano, surgiu somente em 1582 D.C.; o anterior a ele, chamado juliano, em 45 A.C.; anteriormente a eles o romano que data de 753 A.C., onde um ano era composto por somente 304 dias, divididos em 10 meses; e antes destes, havia uma bagunça generalizada, onde registros mais antigos levam aos sumérios na Mesopotâmia em 2700 A.C.

Agora entendo porque a Bíblia diz que Matusalém viveu quase 190 anos e, seu filho Lameque, passou dos 999 anos, ou seja, o tempo era contato de forma diferente, pois com certeza, dentro da qualidade de vida que tinham em tempos remotos, jamais teriam passado de 40 ou 50 anos.

Más enfim, pra que será que os benditos padres invetaram esta contagem para dizer que estamos ficando velhos ou que chegou “tal data para comemorarmos e CONSUMIRMOS“.  Sim, o consumo que eleva reis e humilha os pobres, sempre foi a mola propulsora da evolução humana. Praticamente incapazes de prover seu sustento de forma silvícola, o ser humano acabou partindo para a caça (morte, violência, agressão ao meio ambiente...) afim de alimentar-se. Outros partiram para agricultura monocultural, afim de produzir alimentos para suprir suas famílias, clãs, tribos, e assim começaram a medir volumes de colheitas, o tempo de produção e comercialização.

Mesmo com a evolução agrária, os antigos atribuíam ao transcendental o que produziam, então, porque ao longo dos tempos, foi-se esquecendo que o alimento é fruto de uma dádiva divina, e começou-se a achar que o mesmo é fruto do dinheiro de nossos pais e de nosso trabalho?

Enfim, em tempos de modernidade, onde a automação inevitavelmente irá exterminar com a grande maioria dos empregos no planeta dentro de no máximo 20 anos, isso mesmo, daqui há duas décadas, a AI - inteligência artificial e os androides (robôs) irão fazer quase todas atividades humanas de forma infinitamente mais barata. O que será de nós e de nossos descendentes?

Gostaria eu de viver num mundo sem tempo, com tempos melhores. Trocadilhos a parte, precisamos rever nosso tempo, nossos hábitos, nossas crenças, afim de encontrarmos o bem comum, pois os tempos que se avizinham não parecem mada bons, portanto, neste fim de tempo (ano), façamos uma reflexão de nossos atos frente aos outros, ao ambiente e até a nós mesmos. Será que estou fazendo a coisa certa pra mim e pras próximas gerações?

Pense, reflita e aja. Você é uma sementinha de Deus pra fazer florir novos horizontes, mas pra gerar frutos divinos, é preciso começar por algum lugar, então, comece com alguém ao seu lado, bem próximo. Eu comecei por você.

Boa semana - Namastê - AdilsonDi.com

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

Prisma sobre outros cíclos

Segundo o IBGE, a expectativa de vida média dos brasileiros em 2017 está em 75,8 anos de vida, sendo que mulheres com 79,4 enquanto homens em 72,9 anos.

- Tá, mas o que tem isso?

- Bom! Se considerarmos que a grande maioria de nós, em breve, viverá até os 77 anos, e se considerarmos que nossas vidas são divididas em ciclos de 7 anos, teremos 12 ciclos ao longo de nossa existência, ou seja, podemos considerar de fato que nossas vidas são um único longo ano. Janeiro é nossa infância vai até aos 7 anos, nosso carnaval vai dos 7 aos 14, o início da grande aula da vida começa no março que vai dos 14 a 21, nosso abril vai até os 28, maio até os 35, o inverno começa a nos esfriar aos 42, demais se sucederão aos 49, 56, 63 e, se possível, aos 77 anos.

"Após escrever este texto, inspirado do nada, fui procurar imagens na internet e achei dezenas de referências a "teoria dos setênios", pois é, literalmente não estamos sozinhos em nada"

Se fizéssemos uma pirâmide de nossos anos ou ciclos, onde o cume fosse a divisão entre a apoteose de nosso aclive e o princípio de nosso declive, a virada de nossos 38,5 anos seria a linha tênue que dividiria as fazes de ascensão e declínio de nossas vidas.

Alguns mais afortunados terão uma vida mais longeva, mas é preciso deixar bem claro, que eles estarão ganhando bônus de novos meses (ciclos) no ano de suas vidas, como se fosse o plus de um 13º ou um 14º salário, por terem tido uma vida mais regrada, onde aproveitaram ao máximo a oportunidade de aprender dentro dos ciclos, mas é preciso que fique claro que eles terão os mesmos 12 ciclos que qualquer outro, e se passarem da média dos demais, é porque suas ações lhes deram o direito de atingir fazes mais evolutivas do conhecimento, para que possam compartilha-los com os menos afortunados.

- Mas que papo é esse de ciclo?

- Bom! Lá vamos nós novamente. Desde nossa concepção estamos sendo lançados para o lado de fora. Fora do pai, depois pra fora da mãe, para o lado de fora de casa, da rua, do bairro, da cidade, do país, e assim por diante. A força centrifuga universal está sempre se expandindo e empurrando nossos seres para fora de nós. Nossa vida é como se estivéssemos em um grande espiral, isso mesmo, num grande espiral como se fosse um grande furacão, que como naqueles brinquedos de parque de diversões, nos empurra para o lado de fora da zona de conforto, jogando-nos ao mundo, longe de nosso eixo central, do nosso eu, fazendo com que estejamos mais preocupados com o lado de fora, do que com o lado de dentro, mais com o exterior, do que com o interior.

Bom, costumamos medir nossas vidas em anos, muitas vezes em meses, semanas, dias, horas, minutos, segundos. Mas se o instante é efêmero e, o que é, já não é mais, já passou, tornou-se um novo momento e, novamente o que passou, passou, já não volta mais. Como podemos viver a plenitude de nossas vidas se na maioria de nossos ciclos estamos na fase de aprendizado, mas que de fato não aprendemos.

Para que possamos ter a pretensão de ganharmos bônus d´outros ciclos, é preciso em primeiro lugar aproveitarmos os que nos são dados como se fossem o último, aproveitando ao máximo para aprender em nossa ascensão, antes de iniciar o declínio natural de nossos tempos, e mesmo quando começarmos a descida, temos que continuarmos a olhar o mundo com olhos de aprendizes, alegrando-nos como se estivéssemos descendo nos divertidos tobogãs, tirolesas, montanhas russas e escorregadores da vida.

É preciso estarmos atentos a cada novo detalhe que nos é apresentado e ao final de cada experiência, compreendermos que de fato pouco ou nada sabíamos sobre ela, levando-nos cada vez mais a certeza de que nada sabemos, tornando-nos humildes frente as verdades da existência.

A vida nos lança em seu grande vortex a fim de sermos expelidos de nosso eu, mas é preciso muita força para mantermo-nos ligados ao nosso eixo central, e para isso, a cada ciclo é preciso criar profundas raízes nas terras férteis da sabedoria, para que nos últimos tenhamos mais alegrias que arrependimentos, para que não precisemos começar tudo novamente noutra vida, evitando assim, o eterno ciclo de renascimentos e mortes como reza o samsara budista.

Aceitemos a pirâmide da vida e as verdades de nossos ciclos. Aceitemos que nossa vida é de subidas e descidas, que tudo esta em ondas de altos e baixos, e que precisamos manter a cabeça erguida, “a mente quieta, a espinha ereta, e o coração tranquilo (Walter Franco)”, seguindo numa linha tênue, retilínea e uniforme ao longo de nossa existência.

Precisamos aceitar, acima de tudo, que existe UMA LUZ que nos ilumina exotericamente fazendo com que possamos ver e compreender o que está fora de nós, e esotericamente, para aqueles mais preparados que conseguem lapidar suas pirâmides de vida com meditação e sabedoria e que tornam suas vidas mais leves, límpidas, desapegadas e transparentes, acabam transformando-as em belos e raros diamantes que transformam a luz que recebem no mais belo espectro de cores, irradiando bons fluidos à todos ao seu redor.

Aceite e transforme a luz que há para você. Se Deus em seu Gênesis disse: "Faça-se a luz!" E a luz foi feita, ainda, se Deus viu que a luz era boa, e separou a luz das trevas, por que você ainda vive na escuridão? Aceite, aceite, aceite a sabedoria. Aceite meu sincero desejo de que sua vida seja completa de luz e que você receba todo tipo de bênçãos do universo. Se somos ínfimos, e do pó viemos e ao pó voltaremos, façamos com que esta passagem neste plano seja colorida e iluminada à todos que se chegarem a nós.

Namastê - AdilsonDi.com

coloquei vídeo abaixo afim de compararmos o tamanho de nossa existência frente a imensidão do universo





sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Será que eu sei o é amar?

Ahh o amor, como é bom amar.

Mas espera ai. O que é o amor?

Será que eu sei o é amar?

Será que já amei?

Sei lá!

Desculpe-me Camões, mas amar não é estar-se preso por vontade, servindo a quem vence, pois, tão contrário a si é este teu amor.

O amor não prende, liberta.

Sim, o amor é, bom, conhece o que é verdade, não quer o mal, não sente inveja nem se envaidece.

O amor é puro, ingênuo e quer paz, traz paz, alegria, cumplicidade.

O amor é sábio, e sabedoria é sabermos que nada sabemos, né Sócrates!

Mas e ai, será que quando flertei, beijei, fiquei ou enamorei, eu amei? Acho que até então, não.

O apego que tive, o grilhão imaginário auto-condicionado, o querer mudar a si e a outrem, o dizer meu ou minha, não combina com amor.

Quintana, cuidar do jardim sim, Cartola, voltar ao jardim para queixar-se às rosas, jamais.

Leia Também: NEM UM LADO, NEM OUTRO, SÓ A VERDADE

O amor está nas asas da borboleta serelepe, que voa arbitrariamente por entre as flores, pousando numa e noutra, parando onde encontra sabor.

O amor está no silvo faceiro do sabiá que canta para encantar.

O amor está no ar, que é livre, paira, inspira, pira, expira, está em todo lugar.

Sabe, eu não sei o que é amar, só sei que quero amar, aprendendo amar, pois pelo que vi e vivi, o amor é a única coisa que jamais entenderei completamente, só sentirei, tantas vezes quanto necessário for.

Loucuras a parte, publique-se e registre-se que, ao olhar no espelho, sempre o espelho, encontrei quem devo cuidar, para saber, quem, o que, como amar.

Que seu final de semana seja contemplativo, cheio de incertezas, dúvidas, inquietações, pois elas te farão pensar, quem sabe até elucubrar sobre saber ou não saber o que é amar.

Namastê - AdilsonDi.com

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

Aquela semana

Seria só mais uma, se não fosse aquela semana.

Aquela semana que pode mudar tudo, aquela que trará tudo aquilo que você sempre almejou. O bem, a oportunidade ou aquele simples olhar furtivo que faria você tremer.

Tudo pode acontecer, mas é essencial, parar em frente ao espelho e dizer: eu quero, eu posso, eu consigo, mas principalmente, eu estou disposto em fazer com que as coisas aconteçam, assim vou abrir minha guarda para que o belo, o bom e o necessário cheguem até mim. Além disso, terei atitude, tomarei a iniciativa, farei a diferença, sairei da zona de conforto para que aquilo que almejo chegue de forma admirável até mim.

Desejo que sua semana seja diferente, seja aquela semana que você sempre esperou e, que agora vai parar de esperar indo a luta, por aquilo que você ainda não conquistou.

Receba ai onde estiveres, energias mil, para que possas compartilhar com todos aqueles que a ti chegarem.

Bom dia.

Namastê - AdilsonDi.com

sexta-feira, 10 de novembro de 2017

No rio da vida

Oi, mais um dia amanhece, mais uma semana termina, mais possibilidades virão, outras nunca mais passarão.

Aconteceu, ficou no passado, o que era pra ser amado, amou, o que não era, degringolou.

Cada instante uma nova oportunidade, um novo começo, novas expectativas.

Que o fluxo do rio da vida demore o mar encontrar, e que a cada curva mais experiências possam nos acrescentar e, a cada efluente, mais influências, resiliências e amores possamos acrescentar.

Que possamos irrigar tudo as margens de onde passamos, para que as colheitas da vida sejam pujantes e que em nossas reminiscências fiquem somente a imagem do belo e do bom retribuído na contribuição que conseguimos regar e semear ao longo do leito da sucessão de nossos dias.

Palavras devaneadas, mas carregadas de vontade, de que tudo seja verdade, e que nossos dias sejam esplêndidos e cheio de alegrias a serem recebidas e compartilhadas.

Que seu final de semana seja sublime.

Beijos no seu coração | Namastê | Adilson.com

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

reflexões

A qualquer hora iremos nos deparar com o espelho, e o que veremos? Nosso simples reflexo, o reflexo do que imaginamos que somos, ou o reflexo do que outros veem na gente? Sim, um bom tema para "reflexão".

Nagarjuna, um dos filósofos budistas mais importantes depois do Buda histórico, afirmava que a realidade das coisas são meros reflexos de nossa imaginação e que não existe realidade externa a nossa mente. Isso mesmo, vivemos numa matrix criada por nos mesmos.

Ao olharmos no espelho podemos estar vendo a reflexão do mais belo, do melhor, do diferenciado, mas será que somos isso na existência construída pelo imaginário d´outros? Será que nosso ponto de vista não é soberba, será que ao imaginarmos perfeição em nós, não estaremos involuntariamente depreciando nosso semelhante na mesma proporção que nos supervalorizamos? Será que ao fazermos juízo de valor dos outros, estamos sendo justos com eles e com nossa existência? Quando vemos o feio noutro, será que não estamos vendo o feio que existe em nós. Será que ao vermos o mal n’outrem, não estamos vendo o mal em nós mesmos?  Ou seja, se tudo é reflexo do nosso próprio eu no que enxergamos nos outros, não deveriamos procurar o belo no feio, o bem no mal, o equilíbrio entre o preto e o branco, o positivo e o negativo, entre nós e os outros?

Se a lei da causalidade é um resultado do efeito de uma causa sobre um pensamento, mesmo que silencioso à nos mesmos, a criação do nosso "eu" não pode vir acompanhada por aflições ou emoções negativas geradas pelo nosso ego, como o apego, aversão e inveja. Precisamos identificar e abandonar as causas do sofrimento, usando como antidoto a reflexão sobre o amor e sobre os diferentes aspectos de nossa realidade, pois pensamentos negativos nos levam a ignorância, e a ignorância é a raiz de todos os males.

leia também: Nada é tão bom que não possa melhorar cada vez mais


Mas se somos o que criamos, por que na maioria das vezes criamos pessoas defeituosas, com doenças, limitações e pensamentos limitantes? Talvez a resposta seja simples, talvez complicada, tudo dependerá de nossas reflexão (meditação). O budista afirma que, cada pessoa decide o que é verdade através de sua óptica e que quando a verdade alheia não coincide com a nossa, não devemos contrapô-la, mas refletir, interpretar e aprender com a diferença, pois o objetivo da vida é nos tornarmos sábios. E sabedoria o que é? Sabedoria é saber que nada sabe, ou seja, ser humilde para aprender sem glorificar-se,  sem vaidade, pois a iluminação só vem quando compreendemos que a ausência da existência é o que caracteriza a sabedoria, e a sabedoria remove a ignorância e todas emoções aflitivas de nosso eu.

Nossa realidade é tão vasta e múltipla, que o simples exercício de refletir sobre os aspectos impuros de nosso pensamento, pode diminuir nossas vaidades e arrogâncias de nos acharmos melhor que os outros e, tornarmo-nos mais sábios. Até podemos ter a utopia de querermos alcançar a iluminação plena, mas para isso é preciso abdicar do sou, do posso, do tenho e  de todas máculas de nossa mente, pois é preciso ter consciência de que toda sua opinião sobre os outros e sobre o que você mesmo, nada mais é do que o reflexo que você construiu em sua imaginação.

Este é um assunto muito complicado mesmo, pois se sabedoria é saber que nada sabe, ai venho com este texto louco, sem pé nem cabeça. Quem sabe seja o que você está pensando mesmo, que estou exatamente praticando o contrário daquilo que estou escrevendo, numa clara demonstração de soberba, achando que escrevendo, sei mais que você, mas na verdade, não sei nada. Só sei que me veio esta mais esta inspiração e pensei em compartilha-la passando adiante como se fossem livros, pois acho um pecado adquirirmos sabedoria através de seu conteúdo e depois aposentá-los numa estante para pegar pó, enquanto poderíamos estar compartilhando-o com outras pessoas.

O certo é que podemos sim nos tornarmos iluminados, já que a prática constante da reflexão é que nos liberta da ignorância e nos torna sábios, e a sabedoria aliada a caridade à todos os seres sencientes, nos eleva a mundos nunca antes imaginados. Vamos praticar a empatia equalizando nosso eu com os de nossos semelhantes, mesmo que este semelhante não seja tão parecido conosco, alias, quanto mais diferente for, melhor, ainda mais se estes andarem pelas sombras do vale da morte ou da ignorância, pois tornam-se os mais necessitados de de compaixão, solidariedade e amor.

Estamos no mesmo plano, no mesmo tempo e praticamente compartilhando o mesmo espaço, o mesmo ar, as mesmas fontes de alimento e sabedoria, portanto sejamos cúmplices e culpados de uma nova era, de um planeta melhor, praticando o bem e tendo atitudes positivas, fazendo o que é correto, pois nosso exemplo reflete na sociedade e nas pessoas que se chegam a nós.

Por um mundo com mais reflexões positivas

Namastê

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Origem de minhas inspirações

Todas manhãs faço minha oração iniciando da seguinte maneira: paro de pé, inspiro e expiro profundamente muitas vezes até que a calma e a paz tenha tomado conta de mim. Ai começo devagarinho a elevar meus pensamentos, abro meus braços e conclamo Jesus dizendo: “Senhor Jesus, permitai que este ser ínfimo em sua existência, possa conectar-se com toda horda de anjos e santos que me guiam, bem como conecte-me a todos meus antepassados nas pessoas de meus pais, avós, suas ascendências e descendências, permitindo que recebam luz onde estiverem e, que todos juntos ajudem-me a me conectar a todos meus parentes, amigos que estão nesta plano e aos que já partiram.

Senhor Jesus, permita-me que conecte-me a Maria sua Mãe, José seu pai, e toda sua ascendência nas pessoas do Rei Davi, Salomão, Moisés, até chegar em Adão e Eva, unindo-me a toda existência que chegou a mim neste plano, permitindo que todos juntos possamos conclamar ao Grande Senhor Deus do Universo, dando-lhe honras e glórias, pedindo que cheguem a mim todos aqueles que vem em nome do Senhor.

Deste momento em diante, conectado com o Universo que é Deus, agradeço a todas as coisas em minha vida, começando por minha própria vida, minha saúde, mais um dia, pelo alimento, pelo trabalho, pela força, pelas oportunidades, depois peço que eu continue seguindo seus desígnios, pedindo que por onde eu ande, que todos sintam sua presença, e a todos aqueles que me fizerem e desejarem o bem, os desejo tudo em dobro e muito mais.

Neste sentido, coloco todas pessoas que de uma maneira ou outra passaram em minha vida em oração ao Senhor Deus do Universo, incluindo você, no qual peço que coloque em suas orações, ao menos um segundo, e já lhe serei grato.

Depois disso dedico alguns minutos pra receber inspiração para compor os textos que você recebe seguidamente.

Hoje faço este relato para saberes a origem das palavras que compartilho contigo e, neste momento peço que todos recebamos tudo de melhor que há nesta manhã e que nossos dias sejam cobertos de luz e bênçãos.

Namastê

domingo, 15 de outubro de 2017

Portas das possibilidades

Há coisas que, por mais que queiramos, nos é segredo até a nós mesmos e, quando em cômodos introspectivos, ebulem em nossa mente como elucubrações.

Nelas, lembranças, vivencias, ideias e, portas, sim, portas das possibilidades.

Atrás de cada uma esconde-se um novo corredor que podemos seguir. Será que por aqui, será por ali? Então a comodidade, talvez o medo, acabem nos conduzindo às mesmas portas manchadas de sempre.

Nestas, conhecemos o caminho e temos o conforto de não precisar mudar.

Nossos nãos vencem, não por serem mais fortes, mas por terem-se tornado sulcos entalhadados nos corredores da comodidade.

Tenho aprendido em meus cômodos silenciosos, que harmonia entre pensamentos e ações completam-se e proporcionam surpresas maravilhosas e, que uma ação, não necessariamente precisa ser uma grande movimentação, mas que pode ser um amontoado de palavras confusas e desconexas como estás que vos escrevo, desde que transcritas com o desejo do que há de melhor.

Gratidão é agradecer o que acontece, sem querer saber por quê acontece, neste sentido, sou grato aos meus silêncios, pois neles encontro o conforto do pensar e dos retornos que o universo possa me dar.
São surpresas leves, lindas, cheias de encantos e poesias, tornando aquelas portas que o receio não abria, num único e inabalável portal da vida.

Aprendo cada vez mais que não preciso abrir as diversas portas da dúvida, pois o universo é um guia que nos da um chá de banco na recepção das expectativas, para depois nos conduzir com a maior atenção pelos caminhos da vida.

O portal tem uma chave que só abre com uma senha, e a senha, é o amor, mais saiba que esta senha é muito segura e difícil conseguir, pois ela está encriptada com a capacidade de interpretar.
Que seu primeiro dia da semana seja abençoado e que seus enigmas sejam desvendados com a senha do amor.

Bom domingo | Namastê | AdilsonDi.com

Cômodo

Há coisas que, por mais que queiramos, nos é segredo até a nós mesmos e, quando em cômodos introspectivos, ebulem em nossa mente como elucubrações.

Nelas, lembranças, vivencias, ideias e, portas, sim, portas das possibilidades.

Atrás de cada uma esconde-se um novo corredor que podemos seguir. Será que por aqui, será por ali? Então a comodidade, talvez o medo, acabem nos conduzindo às mesmas portas manchadas de sempre.

Nestas, conhecemos o caminho e temos o conforto de não precisar mudar.

Nossos nãos vencem, não por serem mais fortes, mas por terem-se tornado sulcos entalhados nos corredores da comodidade.

Tenho aprendido em meus cômodos silenciosos, que harmonia entre pensamentos e ações completam-se e proporcionam surpresas maravilhosas e, que uma ação, não necessariamente precisa ser uma grande movimentação, mas que pode ser um amontoado de palavras confusas e desconexas como estás que vos escrevo, desde que transcritas com o desejo do que há de melhor.

Gratidão é agradecer o que acontece, sem querer saber por quê acontece, neste sentido, sou grato aos meus silêncios, pois neles encontro o conforto do pensar e dos retornos que o universo possa me dar. São surpresas leves, lindas, cheias de encantos e poesias, tornando aquelas portas que o receio não abria, num único e inabalável portal da vida.

Aprendo cada vez mais que não preciso abrir as diversas portas da dúvida, pois o universo é um guia que nos da um chá de banco na recepção das expectativas, para depois nos conduzir com a maior atenção pelos caminhos da vida.

O portal tem uma chave que só abre com uma senha, e a senha, é o amor, mais saiba que esta senha é muito segura e difícil conseguir, pois está encriptada com a capacidade de interpretar mensagens muito subliminares, portanto desvende seus enigmas afim de encontrar sua própria senha..

Namastê